Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Des i - depois, em seguida

Uma perspetiva a dois: cultura, mundo, opinião.

Des i - depois, em seguida

Uma perspetiva a dois: cultura, mundo, opinião.

Vietname, Para além das Fronteiras, com Vanessa Pinto

 

21175155_937941266355296_896347111_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

A Vanessa é australiana, vive em Portugal e falámos sobre o Vietname, destino da sua última viagem. 

Na hora de regressar, trouxe na bagagem, a saudade e muitos sabores na memória. 

 

 

 Des i- Do yolike to travel

Vanessa: I adore travelling.

 

Des i: Why travel?
Vanessa: I travel to open my mind, to learn about new cultures through seeing and doing new things. Mostly, though, I travel to eat.  

 

21175095_937941103021979_1442962601_n.jpg

Des i: Vietnam is...
Vanessa: Vietnam was never a priority of mine to visit over places like Thailand, Indonesia or Malaysia. I never really knew much about the country other than what I had learnt in History lessons in high school. There are many reasons why Vietnam should be on the top of everyone's travel list. Not since my trip to Morocco in 2010 have I loved every minute of being in a foreign place.

vanessa 5.png

In my case, I love eating and I love big cities, the bigger the better. Vietnam is the perfect place if you travel with your stomach and you certainly need a big appetite. Yes, the landscape is spectacular with its lush forests, vast mountain, bright green rice paddies, pristine beaches and breathtaking coastlines, buzzing metropolis' and beautiful waterways; and the people are gentile, vibrant and warm, but the food alone was spectacular, and it is certainly the right place if you want to eat your heart out. 

21208614_937941713021918_1008024289_n.jpg

Des i:... typical food. 
Vanessa: I made sure to eat plenty of street food at every opportunity, which is always dirt cheap and tasty and where you can find the best of Vietnamese food. You can learn a lot about each region of Vietnam, its culture and history, through their distinctly different dishes.

 

21175570_937941136355309_1084552290_n.jpg

vanessa 11.png

To sum up what makes Vietnamese food standout, each dish must have these five elements perfectly combined - sweet, spicy, bitter, salty and sweet. And with every bite you can taste fresh hints of lemongrass, ginger, lime and basil.  For breakfast, every single day, and even sometimes twice a day, I ate an Banh Me baguette, which was one of the most deliciously satisfying bites to eat. This cheap and tasty sandwich was introduced by the French during colonialism in Indochina. It combines the best of French and Vietnamese flavours and there is certainly a lot going on in this sandwich with its generous layers of roasted pork belly, pâté, pickled vegetables, coriander and cucumber, and homemade mayonnaise.

 

vanessa 2.png

vanessa 3.png

For a light dinner, we had the classic aromatic rice noodle soup Pho. Interestingly, it take 12 hours to prepare the stock for this soup and gives it its distinct flavour, and when it is served it comes with an accompaniment  of chillies, fresh herbs like Thai basil, coriander and generous handfuls of bean sprouts. When served, the beef is raw and placed into the boiling soup so it cooks in front of you. Like Bánh mì, Vietnamese pho, Vietnamese pronounce it “fuh”, is also served at breakfast, so it was interesting to see, in the early morning, people jump off their motorbikes, and sit on plastic chairs on the side of the road slurping away at their pho.  Westerners should take note from the small portion sizes and very little food wastage.

 

 

vanessa 7.png

vanessa 8.png

For a Westerner one of the most memorable and mind blowing things about Vietnam is the traffic. If you are brave enough, the only way to get around the hustle and bustle of Ho Chi Minh City or Hanoi is by motorbike. I really enjoyed zipping around on a motorbike, admiring the crowded skyline, with its mix of French colonial architecture, temples and pagodas, construction cranes and dilapidated apartment blocks. Trying to navigate through the city by foot is like the toughest obstacles course; it was almost impossible to dodge parked motorbikes, food carts and even motorbikes mounting the sidewalk.

vanessa 6.png

The Vietnamese transport the most random objects on the back of their motorbikes, from a cage of puppies, to a refrigerator and even a 3 seater sofa. Witnessing the movement of the traffic is a surreal experience. The luxury Landrovers, trucks, buses and motorbikes flow through the crammed streets in state of chaotic synchronicity.  When crossing the road, you walk slow but steady, the motorbike will weave around you. There is an art to it. There doesn't seem to any discernible traffic laws, no marked lanes, no stop signs and no traffic lights. I thought that finally my travel insurance would come in handy for sure, if not on the first day. It is nothing short of remarkable, that I witnessed no accidents and I came to understand that the incessant honking of the horns serves an important purpose - to indicate to other drivers not to forget that you are there.  Vietnamese use their horns much more than their brakes, even when faced with motorbikes coming at you in every direction.

vanessa 4.png

 

 

The ancient town of Hoi An was, by far, my favourite destination in Vietnam. This quaint and charming commercial port town borders the coastline and its old town is a World Heritage Site

protected for its old Japanese merchant houses, Japanese Covered Bridge, shrines, temples, and pagodas, which are exceptionally well preserved and in their original untouched state. In 1999, Hoi An was inscribed as a World Heritage site for precisely this reason. At night the streets of the old town light up with the glow of candle-lit lanterns and paper lotus’ which are released along the Thu Bon River. It is a truly magical sight. During the day we visited Marble Mountain and Monkey Mountain, with its 70 meter statue of Lady Buddha, located at the end of the Son Tra Peninsula in Da Nang. A tall white statue of the Goddess of Compassion, Lady Buddha look upon the sea and over the port and is truly a stunning figure that could rival the Christ Redeemer in Rio de Janeiro.

vanessa 1.png

 Obrigado, Vanessa.  

 

Das Caldas a Coimbra, um percurso histórico!

A quem se permite a conhecer, Portugal é um país cheio de encantos.

 

Há ruelas e calçadas, há castelos e mosteiros. Há enormidades sem fim, paisagens deslumbrantes.

 

Das Caldas da Raínha até Coimbra, passando por Alcobaça, Fátima e Leiria.

 

Um percurso cheio de história e inspirações. Um roteiro pelo interior.

 

 

 

P.S.: Podem ler o relato desta viagem em http://ismaelsousa.blogs.sapo.pt

 

 

Gabriel Gomes

Gabriel Gomes nasceu em Viseu. É actor, encenador, dramaturgo (com uma das peças de teatro publicadas em livro, “Éramos Nós, Uma Arma e Nós”Chiado Editora). Fundou o grupo de Teatro ArDemente, que pretende elevá-lo a Companhia de Teatro Nacional. Deu voz ao Ben, na série da Netflix “Free Rein”.
Tem 21 anos e um grande coração.

20988046_1806362789379350_832568861_n.jpg

©João Fábio Cabral

 

Viseu VS Lisboa?

Viseu. Qualidade de vida exuberante e inexplicável.

 

Viriato VS Pastel de Belém?

Viriato, sem sombra de dúvida. Sendo o melhor o da Confeitaria Amaral, em Viseu.

 

Rua VS Casa?

Rua para viver e observar, casa para criar e descansar.

 

Sorriso VS Olhar?

Olhar. Está tudo no olhar. O olhar não mente.

 

Romance VS Novela?

Romance. De preferência os clássicos russos.  

 

Real VS Fictício?

A dúvida e a incerteza entre ambos.

 

20986144_1806362249379404_2137714780_n.jpg

©Miguel Bartolomeu

 

 

Esperar até Abril é Morrer VS  Menção Honrosa?

Esperar Até Abril É Morrer, no seu conjunto: o texto, o processo de criação, o elenco, a representação, o cenário, os figurinos e só no final a menção honrosa.

 

Dramaturgia VS Representação?

Uma boa e simples dramaturgia, sem muitos floreados ou complexos, para uma boa representação, clara e objetiva.  

 

Fiódor Dostoiévski VS Liev Tolstói?

Dostoiévski.

 

Peter Pan VS Mary Poppins?

Peter Pan.


Camilo Castelo Branco VS Gil Vicente?

Gil Vicente, para a época. Camilo Castelo Branco, hoje. 


Aplausos VS Silêncio?

Ambos.

 

21013537_1806362529379376_1737820517_n.jpg

©Tiago Mascarenhas



Início VS Final?

Bom final, que faça reflectir sobre o percurso desde o início até ao final.


Coração VS Cérebro?

Cérebro, que permita seguir o coração.


Medo VS Conquista?

Conquista, sempre.


Drama VS Abraços?

Drama com abraços.  


Computador VS Papel?

Escrever em computador. Ler, desenhar e esquematizar em papel.


Adjectivos VS Verbos?

Adjectivos.


Hoje VS Amor?

Hoje.


Imagem VS Som?

Imagem.

Obrigado, Gabriel. 

 

Cláudia Lucas Chéu

Cruzei-me com a Cláudia, no Chiado, há 10 anos. Eu sabia que ela era actriz. Foi tão amável no sorriso trocado e desde então, tenho acompanhado o seu percurso artístico. 

É mãe, poeta, dramaturga e argumentista. Co-fundadora da Teatro Nacional21 (associação cultural) e da Edições Guilhotina. Autora de "Pornographia" (Editora Labirinto), entre outros.  Escreve para a Vogue e Delas

 

 

Se soubesse amar-te bem

e não fosse a amante desajeitada este monte de carne, pêlos e

sexo

temendo a cada gesto perder o que nunca te dei

e guardado o que me resta do assalto anterior

dentro de um bicho morto

Embalsamado

como um mealheiro onde não cabe mais uma moeda

Sabes, meu amor,

às vezes, o amante é o criminoso

E uma pessoa pode cruzar-se com vários durante a vida

e ainda assim escapar aos golpes de terror

mas não ao facto de ser moribunda

silhueta

Pornographia, Editora Labirinto, 2016 



20883947_10210077870605180_416945256_o.jpg

 ©Vitorino Coragem



Filha VS Mãe?

Mãe. Uma verdade de La Palice: somos todos filhos todos mas pais só alguns.


Raízes VS Liberdade?

Liberdade. A raiz pertence ao reino vegetal, certo?


Mulher VS Companheira?

Não encontro diferença. Para mim são sinónimos.

 

Cor VS Sem Cor?

Cor. Menta. Qualquer tom pastel.

 

Chegar VS Partir?

Partir.


Sonhos VS Pessoas?

Não aprecio nenhuma das opções - sonhos e pessoas.


Escrever VS Representar?

Escrever. Representar faz parte do meu percurso mas fechei esse capítulo.


Poesia VS Prosa?

Ambas. E mais a dramaturgia.


Palco VS Televisão?

Palco.

20864230_10210077874325273_1611549430_n.jpg

 

©Mag Rodrigues
 


Principal VS Secundário?

Ambos.


Ensaio VS Improviso?

Ensaio e improviso.


“Pornographia” VS “Nojo”?

Pornographia - só porque é mais recente.


Acreditar VS Medo?

Acreditar mete medo.


Feminismo VS “Mulheres Assim” ?

Não percebo o antagonismo. São sinónimos.


Abraços VS Silêncio?

Abraços sem fazer ruído.


Perdão VS Adeus?

Perdoar, sempre.

20840304_10210077857324848_213661752_n.jpg

 ©Fernando Dinis

 


Virginia Woolf VS Cláudia Lucas Chéu?

Woolf. (Que raio de pergunta.)


Eça De Queiroz VS José Saramago?

Eça+Saramago. 


Hoje VS Amanhã?

Hoje - estou a comer numa esplanada à beira mar. 😎 


Delas VS Deles?

De todos os géneros. Há várias possibilidades de existir.


Obrigado, Cláudia. 


___________________________

 

https://www.facebook.com/claudia.l.cheu 

Casimiro Teixeira

Casimiro Teixeira  - Miro para os amigos - é o único português, desempregado, a trabalhar com mais efeitos visuais na "indústria literária". 

 

Leu os versus da Mafalda Ribeiro e diz que se sente "tocado pela incrível humanidade de certas pessoas excepcionais".

 

"Define-se como um escritor estilizado nos moldes de um realismo mágico, de histórias de solidão e deslumbramento – fazendo-se acompanhar em cada uma das suas narrativas, por alguns dos seus companheiros mais frequentes: o amor, o poder e a morte."

 

1653934_222140091325468_948943656_n.jpg

  (1)


"Os que resistem ao vento do norte, fumam às luas,
atiram umas graças, à sorte, para as ruas, desertas, e nem por isso são mais que os piores poetas."

 


Miguel Castro Calda VS Heinrich Böll?

Confesso que não conhecia nem um nem outro, mas atiro-me já a escolher o português. Primeiro porque os alemães me fazem espécie, até mesmo esse senhor Heinrich, que fui ver à Wikipédia e pareceu-me muito boa pessoa, e segundo, porque o Miguel Castro Caldas poderia muito bem ser mais conhecido, se o deixassem.

 

Barulho VS Silêncio?

Barulho para viver, silêncio para escrever.

 

Viver VS Conviver?

Viver primeiro e muito e com todas as letras vivas. É preciso andar-se de cabeça levantada e braços abertos para a agarrar de passagem e toma-la nossa pelos estigmas, sendo nós um bocado de toda a gente e vice-versa. Conseguindo-o, convivemos já sem darmos conta, de que a convivência faz parte. Sozinhos, pomos a vida em marcha-atrás.

Tudo VS Nada?

Poemas sobretudo, como os que arranquei de uma gaveta e coloquei num livro, o meu primeiro. Poemas por Tudo e por Nada, foi a minha ingénua crença de que a vida precisa de ambos para se equilibrar. Na altura, era um tolo e de tudo o que aprendi de então até agora, nada mudou, continuo um tolo.

Governo VS Sombra?

“Falarás com a tua voz e não com a voz que alguns te querem dar.”- Foi uma lição que aprendi muito cedo, com o meu pai. Como me ensinou também que a liberdade é uma coisa muito bonita, e que deve de ser mantida, cumprida. Logo, na minha cabeça, a isso somei a ideia de que era preciso arranjar forma de se deitar abaixo os sistemas de poder corruptos. Como não me ocorreu outra forma melhor de o fazer, escrevi um livro sobre o assunto.

Jardins VS Corpos?

Todos os corpos são jardins a aguardarem cuidador.

S. João Evangelista VS Farol?

Muito interessante esta. Diria antes S. João Baptista, porque é o padroeiro da terra que amo e Nossa Senhora da Guia também, para não desapontar a minha mãe que lhe era devota, e porque mais além da sua capela, fica o farol que guia os barcos a entrarem e saírem de Vila do Conde.

 

Seguro VS Inseguro?

Muito armado em seguro, quase vestido de armadura de herói a dias, mas é tudo uma falácia, sou um Crica, um frágil vidrinho. É de ter medo de não chegar a ser.

 

Coração VS Cérebro?

Haverá uma vida antes da morte? É que se houver, precisa de estar entre esses dois hemisférios, em permanente vai-e-vem. Quando falhar um o outro não se aguenta só.

 

12122905_1359064197440634_5852925916181655848_n.jp


Amigos VS Solidão?

Os meus melhores amigos deixam-me só muitas vezes, e amo-os mais ainda por isso.

Escrever VS Ler?

São indissociáveis. A leitura é a universidade da escrita.

Papel VS Digital?

Definitivamente papel. Que me perdoem as árvores, mas, nenhuma comodidade móvel de largo ou curto armazenamento, e com um ecrã como rosto, alguma vez substituirá o cúmulo de sensações ao momento da leitura de um livro-livro. É um objecto que nunca desaparecerá do quotidiano da humanidade.

Poesia VS Reflexão?

Poesia para esquecer todas as palavras. Prosa, para as reflectir longamente.

Passado VS Futuro?

Além de Crica sou um Dinossauro também. Passado, sempre. O Futuro deixo para os meus filhos.

Sonho VS Realidade?

Sonho com dias em que a realidade era mais fácil do que é hoje. Todavia, avanço na mesma, vou treinando para o jogo decisivo.

Estórias VS Amores?

Há melhor estória para se contar que a do Amor?

Abraços VS FACEBOOK?

Isto é de uma lamechice de vómito, mas, estranhamente continuo a acreditar que existe lugar para abraços dentro do algoritmo azul, portanto, ambos.

317049_1503847772978_1433850823_n.jpg

 

Norte VS Sul?

Esta é fácil. Norte. Por que sim, e mais nada.

 

Tempo VS Sem Tempo?

Tempo tenho-o de sobra, tanto, que por vezes nem sei o que fazer com ele. Gostava que me convidassem para mais coisas interessantes como esta, ou para trabalhar em algum projecto onde pudesse escrever sem ter o tempo todo procrastinado. Escrever com um fito marcado à data. Gosto dessa disciplina.

 

Manhã VS Noite?

Durmo muito pouco, três, quatro horas por noite. É quando escrevo, aliás são agora quase duas e meia da manhã e estou a escrever as respostas a este questionário. A noite prossegue nas minhas rotinas e a manhã está a um passo, ainda vou escrever um outro texto que prometi a um amigo. Não respondi propriamente à questão, mas acho que dá para entender.

Obrigado, Miro. 

_____________________

https://neomiro.blogspot.pt/

(1) - Correntes d'Escrita 

Mafalda Ribeiro

“É de puros para puros.”

MEMÓRIAS DE UM ASSASSINO ROMÂNTICO 

Memorias-de-um-Aaino-Romantico.jpg

 











Autor: Carlos Ademar, 2008
País: Portugal
Editora: Oficina do Livro

 


Carlos Ademar nasceu em 1960, em Vinhais (Bragança), no início de uma década recheada de acontecimentos e mudanças no mundo. Foi investigador criminal na Polícia Judiciária. Após, 20 anos ligado à investigação, é agora professor de Ciências Criminais na Escola de Polícia Judiciária.

Em Julho foi apresentado o seu novo livro, "Na Vertigem da Traição", contudo, debruçamo-nos sobre "Memórias De Um Assassino Romântico", o seu quarto livro. Carlos Ademar utilizou uma forma de escrita, que envolve os pensamentos contemporâneos do dia-a-dia, na personagem principal, Xavier. Tornando-se num circuito visível que as estórias vencem, quando não passam apenas de um trabalho rotineiro, entediante. Um retrato fiel, de uma «justiça de valores», que o autor não pretende que “seja um manual”, “mas que leve à reflexão do leitor sobre os caminhos que andamos a trilhar, dando prevalência ao individualismo em detrimento do bem colectivo.”, “sobre o papel do Homem face ao seu semelhante e deixar de ver nele apenas um concorrente que é preciso abater antes que ele se antecipe”.

Para Carlos Ademar

“o acto da escrita não é sinónimo do tal sofrimento atroz que muitos escritores alegam sentir quando a exercem.”

Entende que “a escrita tem de ser interventiva.”, “o escritor não pode ser neutro, tem de tomar partido”. “A literatura, como aliás sempre fez ao longo da História, denuncia situações degradantes para o Homem” e assim, entende-a “como um contributo altamente positivo para a felicidade comum”. Desta forma e como resulta lógico, “não podemos deixar de ver essa vertente da literatura como um sinal de franco optimismo.”

“A única retribuição a que aspiram (os puros) é aquela que deles próprios emana, a que lhes vem de dentro e que resulta da prática do bem, do sentimento humanista do dever cumprido em plenitude.”“Agora permitam-me um apelo: não se esqueçam das palavras do mestre Da Vinci que estão no início do texto, «…que dirigis os vossos pensamentos para o individual» pu-las lá para isso mesmo, procurem a vossa felicidade sem prejudicarem a dos outros. Só assim a Justiça Natural se cumprirá.”

Blogue do Autor: http://a-de-mar.blogspot.pt/