Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Des i - depois, em seguida

CULTURA | MUNDO | ENTREVISTAS | OPINIÃO

Des i - depois, em seguida

CULTURA | MUNDO | ENTREVISTAS | OPINIÃO

Jorge Santos

 
Para o autor a melhor forma de passar o tempo é a inventar histórias.
 
 
Nasceu em Santa Comba Dão e com 3 anos foi viver para Braga.
Começou a escrever aos 13 anos. Aos 14 escreveu o seu primeiro livro, uma história que faz parte do seu crescimento enquanto autor. Nunca pára de escrever, nomeadamente contos. Em 2012, começou a levar mais a sério esta paixão, inscrevendo-se num curso de escrita criativa. Ficou por duas vezes em segundo lugar nos Campeonatos Nacionais de Escrita Criativa, organizados por Pedro Chagas Freitas. Em 2014 lançou o seu primeiro romance, DEZ. Em 2015, como edição de autor, FRAGMENTOS, uma colectânea dos textos dos Campeonatos de Escrita. Paralelamente, mantém um blogue de contos e é um dos membros fundadores da tertúlia de escrita A Velha Escrita, que conta com cinco anos de existência e setenta autores espalhados por três continentes.
 
Em Dezembro (2017) foi apresentado o seu novo livro,'Gente Aparentemente Normal', pela editora Inquietud'e. 
 
 
"Há coisas que não podem ser explicadas (...) Temos de as aceitar como são. Não aqui, - apontando para a cabeça - mas aqui. - Pôs a mão no coração. - Sentir é mais importante do que saber. Acreditar é mais recompensador do que comprovar a verdade."
 

27661363_10213884861027558_1426965373_n.jpg

 ©Isabel Costa Pinto

 
 
Sátira VS Amor?
Amor que perceba que a sátira faz parte da vida.
 
Tempo VS Sem Tempo?
Sem tempo para ter tempo.
 
Inteiro VS Metade?
Duas metades.
 
Soletrar VS Mentir?
A mentira pode dar uma boa história.
 
Felicidade VS Fanfarronice?
Um fanfarrão não sabe o que é a felicidade.
 
Dez VS Um prédio de gente?
Fragmentos de vidas de dez pessoas aparentemente normais.
 
Verbo VS Sujeito?
Ambos fazem falta, com a adjectivação adequada.
 
‘Às vezes’ VS ‘Talvez’?
Prefiro um “às vezes” com sabor a pouco do que um “talvez” com sabor a nunca.
 
Físico VS Virtual?
Sempre que possível, Química.
 
 

27718931_10213884869107760_864331757_n.jpg

  ©Isabel Costa Pinto

Escrever VS Ler?
Sempre. Rever, nunca.
 
Argumento VS Abraço?
Não há melhor argumento do que um abraço.
 
Dicionário VS Lista?
Uma lista de qualidade, como esta do desafio VS. De qualquer forma, todo o dicionário é um conceito ultrapassado. Viva a Internet.
 
Barulho VS Silêncio?
O silêncio é essencial para se poder escolher a nossa música. A música mais adequada para uma determinada disposição pode ser o barulho.
 
Coração VS Cérebro?
O Cérebro. O coração transplanta-se. A vida fica. O sentir continua.
 
Poesia VS Reflexão?
Todo o reflexo é uma poesia.
 
 
 

27662151_10213884999511020_1247707647_n.jpg

 ©Cláudia Santos

 

Chegar VS Partir?
Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir Chegar-Partir (…)
 
Raízes VS Liberdade?
Só a liberdade permite dar valor às raízes.
 
Capítulos VS Uno?
Todo o Uno é feito de capítulos. São inseparáveis, como o Mickey e a Minnie.
 
Sabor VS Som?
Sabor. Conseguimos viver no silêncio absoluto, mas não conseguimos viver sem comer.
 
Igualdade VS Gratidão?
A igualdade transforma a gratidão num acto quase irrelevante.
 
 
Obrigado, Jorge.