Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Depois em Seguida

CULTURA | MUNDO | ENTREVISTAS | OPINIÃO

12 de Março, 2021

FELIPE CAVALCANTI

A Barbearia Dom Felipe (Porto), do Felipe Cavalcanti é diversa na qualidade: profissional, perfeccionista, amiga, acolhedora e exclusiva.

O sonho de ter uma barbearia vem desde muito cedo.  “Na minha barbearia a pessoa entra cliente e sai amigo”, refere Felipe.  

As barbas fazem cada vez mais parte das nossas vidas. Dizem que é impossível escapar-lhes no mundo da moda e nós quisemos saber tudo.

IMG_20210114_100223.jpg©FC

 DES: Barbear é uma arte? 

Felipe Cavalcanti: Penso que barbear é uma técnica. Pode até ser uma técnica dotada de ações criativas, mas por mais bonito que seja denominar como arte, acho que seria uma apropriação da palavra. Vejo a arte como um saber ligado à criação, à reflexão, à expressão de sentimentos ou ideias...  que nos tocam ou incomodam, ou conseguem colocar-nos em outra dimensão estética e até, algumas vezes, espiritual. A arte é questionadora.  A barbearia como profissão vem de uma linhagem antiquíssima, de uma história rica e respeitada em todo o mundo, de um conjunto de conhecimentos laborais aprendidos. Eu posso ensinar qualquer um a ser um barbeiro, mas jamais poderia transformá-lo num artista.

 

DES: Quando começaste a interessar-te pela arte de barbear? 

Felipe Cavalcanti: A barbearia sempre rondou-me os pensamentos, sempre instigou-me. Minha relação com a barba vem desde cedo. Aos 12 anos nasceram-me os pelos no rosto e era o único da sala de aula com bigode e barba, não eram poucos e isso já chamava a atenção (risos). A partir daí sempre tive esse pensamento a dar voltas na minha cabeça. Profissionalmente trabalhava com vendas, mas não era satisfeito com a profissão. Quando pensei numa mudança foi aí que a ideia da barbearia surgiu e ainda não era o modismo que é hoje. Comecei a realizar cursos e qualifiquei-me profissionalmente para então empreender com a barbearia.

 

DES: Quais são os maiores desafios de um barbeiro? Ou de uma barbearia. 

Felipe Cavalcanti: Acho que o maior desafio é sempre entender as necessidades do cliente. Cada um vem com um desejo em relação à imagem pessoal e este desejo pode estar relacionado a várias questões. Pode ser algo profissional, pode ser relativo à autoestima, pode ser relacionado com a tradição ou mesmo o oposto, uma vanguarda, uma inovação. Quando entende-se o que está por de trás do desejo do corte do cabelo ou da barba, consegue-se chegar na satisfação do cliente.

 

DES: O espaço e o tempo dinamizam a arte de barbear? 

Felipe Cavalcanti: Em certa medida, sim. Se pensarmos em termos de espaço físico adequado, com toda segurança, higiene e equipamentos profissionais é fácil estabelecer essa relação. Em relação ao tempo, vejo que depende de cada profissional envolvido e da qualidade final do serviço. Mas, se pensarmos em termos da história, o espaço e tempo são aliados dessa profissão. O ato de barbear e de cortar o cabelo faz parte da própria história e está em todos os povos. Os barbeiros atendiam até mesmo nas praças, feiras e outros locais. É uma história muito rica e com um incrível desenvolvimento.

 

DES: A barba é um grande factor na moda masculina? A barba está na moda?

Felipe Cavalcanti: Novamente é essa história rica da barbearia que nos dá a resposta. A barba é uma composição masculina desde que o tempo é tempo. Conferia honra, poder, status, masculinidade, coragem, em alguns povos era mesmo o rito de passagem para a vida adulta. Ao longo do tempo, idas e vindas colocavam a barba ora como satisfatória ora como inadequada em função de um conceito ideológico e político, somados a isso a indústria de lâminas de barbear também contribuiu para um marketing do rosto limpo e as barbas passaram a ter um aspecto subversivo na sociedade sendo até reprovadas. Nos últimos dez a quinze anos surge um movimento de emancipação desses conceitos rígidos que até então passaram a vigorar. O “novo” homem passou a apreciar a sua própria vaidade, o seu prazer com a saúde e a estética, dessa forma o mercado voltado para o masculino teve um grande impulso, indo ao encontro dessa nova estética masculina e o homem voltou a ter grande satisfação em cultivar e cuidar da barba e isso se vê refletido na moda.

                                                                                          

thumbnail_IMG_20191226_170629.jpg©FC

DES: Tens algum trabalho que consideres especial?

Felipe Cavalcanti: O homem hoje valoriza seu barbeiro e muitas vezes além do lado profissional, o barbeiro torna-se um amigo e a cadeira do barbeiro é um divã também. Muitas histórias são relatadas e ouvidas com atenção e isso torna tudo especial. Da mesma forma, cada corte de cabelo ou barba são únicos.

 

DES: Em que medida é que a sensibilidade é importante no processo de barbear?

Felipe Cavalcanti: É extremamente importante uma vez que estamos a lidar com a vaidade e não somente, mas com toda a questão da imagem pessoal, profissional e questões psicológicas. Muitas vezes o barbeiro tem que também alertar para o que não é adequado (em relação ao corte de cabelo ou barba) em função de cada cliente e é preciso sensibilidade para perceber as sutilezas que estão envolvidas.

 

DES: Qual foi a coisa que te disseram sobre o teu trabalho que mais te marcou até hoje? Pela positiva. 

Felipe Cavalcanti: Que na minha barbearia a pessoa entra cliente e sai amigo.

 

DES: Qual foi a maior aventura que te aconteceu ligada à barba?

Felipe Cavalcanti: Certa vez, uma senhora entrou na barbearia enquanto o marido estava a ser atendido para impedir que ele realizasse o corte de cabelo e da barba, com receio de que ele ficasse bonito e chamasse atenção das mulheres. Os dois começaram a brigar na barbearia.

 

DES: Qual foi a barba com o processo mais difícil de concretizar? Podemos saber; Felipe?

Felipe Cavalcanti: O processo mais difícil é com o cliente sem paciência. Às vezes, a barba sonhada leva tempo para crescer, demanda cuidados semanais, investimento em produtos adequados. Paciência e cuidado são os segredos.

 

thumbnail_IMG_20200922_111325.jpg©FC

DES: Uma boa barba é... 

Felipe Cavalcanti: Uma barba bem tratada.

 

DES: Um bom barbeiro é... 

Felipe Cavalcanti: Aquele que não impõe o corte de cabelo ou estilo da barba ao cliente. Ele pode aconselhar, orientar, mas jamais impor ou realizar algo à revelia do cliente.

 

DES: Se não fosse a barba era...

Felipe Cavalcanti: Se não fosse barbeiro seria um profissional relacionado com a gastronomia, a minha segunda paixão.

 

DES: A pandemia prejudicou o teu trabalho?

Felipe Cavalcanti: A pandemia prejudica profissionais do mundo todo, em todas as áreas, em função do confinamento e por tudo o que desperta na crise económica. É uma equação dificílima de acertar porque o lockdown e outras medidas são importantes para refrear a propagação do vírus, mas ao mesmo tempo as medidas de apoio aos setores são insuficientes para manutenção das famílias e dos empregos.

 

DES: No futuro quais são os teus objetivos? 

Felipe Cavalcanti: A pandemia ensina-nos que o futuro é muito incerto. Por enquanto, continuar a realizar o melhor trabalho possível na barbearia, com o nosso atendimento individualizado e personalizado e quando tudo estiver calmo, sem essa pandemia, aí sim... pensar em projetos futuros.

DES:Obrigado. 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.