Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Depois em Seguida

CULTURA | MUNDO | ENTREVISTAS | OPINIÃO

14 de Maio, 2020

#odiaemqueopoemarebentoudochão, Gonçalo Puga

poemamau (2).png

©Iolanda Moutinho 

 

Poema Mau

 

Amor,

Quando pões teus olhos em mim

Eu derreto-me toda como a neve que se derrete nos dias de Inverno em que o Sol                                                                                        [está

Mais forte do que aquilo que normalmente costuma estar para essa altura do ano

Que bom é ver-te, amor

Tal como é bom ver o Sol, a lua e a minha mãe a fazer amor com o meu pai

Aos sábados de manhã

Queria acordar ao pé de ti

Num pôr-do-sol pleno de alegria, felicidade e camaradagem

 

Amor,

Não te vás, amor

Quero lamber-te atrás das orelhas

Como quem pinta uma parede

Quero passar-te a mão pelo pêlo

Que tens no cabelo

Quero sentir o teu sexo várias vezes ao dia

E entre escovagens

 

Caramba, amor

Não me negues aquilo que é meu

Não fiques com o carro que o meu pai me deu

Amor,

Ainda te amo, amor

Amo-te com a força de quem separa duas peças de Lego com os dentes

Amo-te com o fulgor de quem usa um espanador

Amo-te com a impetuosidade de quem tempera uma salada

 

Amor,

Não te vás, amor

Vem-te

 

Gonçalo Puga